• WMB Marketing Digital

Microsoft vai lançar versão do Windows em nuvem para empresas

Chamado de Windows 365, o serviço vai ser lançado no próximo dia 2 de agosto. Com ele, será possível abrir um arquivo no computador e terminar o trabalho no celular, por exemplo.

A Microsoft anunciou nesta quarta-feira (14) que vai lançar uma versão do Windows em nuvem para empresas e organizações, com objetivo de tornar mais simples o acesso a programas que precisam do sistema operacional.


Chamado de Windows 365, o serviço vai ser lançado em 2 de agosto.


Em vez de precisar ser baixado e instalado no computador, o sistema operacional estará na nuvem, tanto na versão Windows 10, a mais atual, quanto Windows 11, recém-apresentada e que começará a ser disponibilizada no ano que vem.


Ele será acessado via internet por meio de um PC, Mac, iPhone, celular com Android ou Chromebook, desde que o browser seja compatível com HTML 5.


Assim, será possível abrir um arquivo em um computador e terminar o trabalho no smartphone ou tablet, por exemplo, continuando do ponto exato de onde parou.


"Esta abordagem cria uma categoria de computação pessoal totalmente nova, especificamente para o mundo híbrido: o Cloud PC (computador em nuvem)", disse a empresa.


De olho no 'novo normal'

A Microsoft está de olho no potencial de crescimento do trabalho híbrido após a pandemia: um misto de home office com presencial.


"A capacidade de trabalhar a qualquer hora, de qualquer maneira, e em qualquer lugar onde seja necessário tornou-se o novo normal", escreveu Wangui McKelvey, gerente geral do Microsoft 365 .


"Todos os funcionários querem uma tecnologia familiar, fácil de usar e disponível em todos os dispositivos. E no ambiente de cibersegurança mais complexo que já vimos, as empresas precisam de uma solução que ajude seus funcionários a colaborar, compartilhar e criar, além de manter seus dados seguros e protegidos", completou.


A Microsoft espera que o Windows seja simples o bastante para que pequenas empresas ou escolas o utilizem sem a necessidade de terem um departamento de TI.


O serviço é semelhante aos chamados computadores "virtuais" ou "remotos" que existem há décadas, mas que precisam de equipes sofisticadas de tecnologia da informação para serem administrados.


Fonte: G1